Agências, empresas e tal (3)

Voltando ao assunto, que, aliás, não tem fim, uma das razões pelas quais não gosto de repassar serviço é a questão da responsabilidade pelo pagamento.

Penso assim: quando traduzo, faço questão de, antecipadamente, acertar com meu cliente uma data de pagamento e de receber nessa data. Quando repasso serviço a um colega, fico eu sendo o cliente dele e acho que tenho a obrigação de garantir uma data fixa para o pagamento e de cumprir essa promessa. Para isso, precisaria ter capital de giro que me permitisse pagar no prazo combinado independentemente do que fizesse o cliente. Tenho lá algum dinheiro, é fato, mas não é coisa que possa ser usada como capital de giro do escritório. O cliente final pode atrasar, atrasar muito e mesmo não pagar e como é que fica o tradutor?

Sei de tradutores desesperados que aceitaram a história de “quando o cliente pagar você recebe” e, como não recebiam, cansados de ligar para o intermediário sem obter resultados, em desespero de causa, ligam para o cliente, o que causa sempre muito mal estar, porque o intermediário reclama que é falta de ética. Quer dizer, tem que esperar, quietinho, e ainda dizer obrigado quando o pagamento chega.

Alguns intermediários relutam em pressionar o cliente pelo pagamento, para não parecerem chatos. Estão, na verdade, fazendo cumprimentos com chapéu alheio, porque estão fazendo concessões com o dinheiro que pertence ao tradutor, não a eles próprios.

Outros, aceitam todo tipo de serviço, sem procurar ver se o cliente final é de confiança.

O pior, mesmo, é quando o tradutor liga para o cliente final, para suplicar pagamento, e descobre que já foi feito há muito tempo. Mas isso já é outra conversa.

Obrigado pela visita e volte sempre.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


Sem comentarios em "Agências, empresas e tal (3)"


    O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

    Pode publicar em html também