Amizade e escravidão

Na Reunião na Sala 7 de ontem, uma participante se queixou de que um amigo lhe tinha pedido a tradução de uma longa dissertação e, quando soube que uma tradução daquele tamanho não ia sair grátis, encerrou a amizade, com a acusação de mercenarismo.

Ambos estavam enganados: ela pensava que ele fosse amigo, ele acreditava que ela fosse escrava. Uma incoerência: não se pode ser escravo do amigo nem amigo do escravo. O engano agora está desfeito. Ela agora que aprenda a distinguir quem é amigo de quem é cliente de quem é candidato a senhor de escravos. E ele que vá procurar uma escrava onde quiser. No raio que o parta, preferivelmente.

Traduzir vinte linhas grátis para um amigo é cortesia. Mas trabalhar dias e dias para traduzir uma dissertação e não receber nada é burrice.

Como dizia a Cacilda Becker, não me peça para dar de graça a única coisa que tenho para vender.

Fim de papo.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


3 Comentarios em "Amizade e escravidão"

  • morfose
    10/04/2008 (1:26 pm)
    Responder

    Ora nem mais.

  • cadeorevisor
    07/04/2008 (11:27 pm)
    Responder

    Sensacional. Vive-se muito isso na revisão também. Cobrar de um amigo ou parente é sempre um momento tenso. Na verdade ainda não descobri qual a melhor forma de fazê-lo.

    Abraço,

    Pablo
    http://cadeorevisor.wordpress.com

  • Sidney Barros Jr.
    07/04/2008 (8:55 pm)
    Responder

    Danilo, a citação de Cacilda Becker resumiu com maestria ímpar tudo a que você se referiu.
    Excelente.
    E que os colegas tenham em mente esta citação (que para mim agora virou “máxima”).
    Não me peça para dar de graça a única coisa que tenho para vender. rs
    Abraços fraternos.


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também