As cinco habilidades do tradutor (continuação)

Essas pessoas que conheciam as duas línguas e a área (o engenheiro que estudou nos Estados Unidos, por exemplo) muitas vezes tinham uma deficiência extraordinária: não sabiam traduzir. Muita gente não se tinha dado conta – e muita gente ainda hoje não se dá – que traduzir bem exige muito mais que conhecer duas línguas e um assunto.

Por isso, por exemplo, é tão comum entregar serviços de tradução a escritores (alguns deles muito malsucedidos, é verdade, mas isso é outro problema), imaginando que “o melhor tradutor é o bom escritor”. Nem sempre. O melhor tradutor é o que faz a melhor tradução e nem sempre quem faz a melhor tradução é o escritor, poeta, redator ou o que seja. Da mesma forma que nem sempre o melhor motorista é o melhor mecânico, da mesma forma que o afinador de pianos nem sempre sabe tocar Parabéns a você. Tradução é tradução, outra coisa.

A confusão é tão arraigada, que é muito difícil distinguir muitos livros de tradução de obras sobre literatura. O mais antigo livro que eu tenho e que fala de tradução como tradução, não como filial das “belles lettres” é “Stylistique comparée du français e de l’anglais”, o famoso Vinay e d’Arbelnet, de meados do século passado, que fala de técnicas de tradução, técnicas que se aplicam a qualquer tipo de tradução, seja literária, técnica, publicitária ou o que mais seja. Curioso que, a despeito de o livro ser um clássico, ainda hoje o mundo está cheio de gente que não se dá conta de que a quarta habilidade do tradutor é justamente dominar técnicas de tradução e há muita gente traduzindo por aí que simplesmente ignora o fato, gente que traduz empiricamente, dizendo “porque fica melhor assim”, sem ter formalizado essas coisas.

O que mais me surpreende, entretanto, é a quantidade de gente que se envolve em altas discussões teróricas sobre tradução, sem ter se dado ao trabalho de aprender essas coisinhas, que, acho eu, são fundamentais.

A ver se, amanhã, consigo falar da quinta habilidade, encerrando esta novela. Por hoje, é só. Obrigado pela paciência e não esqueça da Reunião na sala 7:

Grátis, como sempre.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


Sem comentarios em "As cinco habilidades do tradutor (continuação)"


    O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

    Pode publicar em html também