1266 results for author: Danilo Nogueira


Más experiências com tradução automática

Há boas e más experiências com tradução automática.

Sucesso com tradução automática

Esta é a segunda parte da série sobre tradução automática. A primeira, está aqui. Vou avisando que não sou especialista em tradução automática e que minha experiência na área é lamentavelmente  restrita – embora já muito satisfatória. Talvez seja uma questão de filosofia: enquanto muitos colegas têm espírito ludita (daqueles operários ingleses que destruíam máquinas para evitar o desemprego), eu, desde sempre, procuro ver como usar as inovações tecnológicas a meu favor. Acho isso muito bom, porque assim não fico no lado perdedor da história, como a turma do “jamais”, que descrevi ontem. Porque a tecnologia avança e ...

Sou um tradutor das antigas

(Este artigo é o primeiro de uma série sobre tradução automática, que prometi a meus colegas do grupo Tradutores, Intérpretes e Curiosos.  Os restantes, serão publicados durante o decorrer da semana. Espero que você goste.) Sou um tradutor das antigas. Quando comecei, em 1970, datilografava minhas traduções numa valente Olivetti 44. Muitos tradutores trabalhavam com caneta e papel almaço. Um dia, perguntei a um deles por que não usava máquina de escrever. Respondeu, altivo: “porque sou tradutor, não datilógrafo – nem sei usar esse troço. Tradução é tradução, datilografia é datilografia. Jamais vou usar máquina de ...

Cotar mais para dar desconto

Escreve o Leandro Gomes, perguntando: E se eu superfaturar meu preço, já pensando no desconto? Pega mal? Obrigado pela pergunta, Leandro. Este e todos os blogues vive mais das intervenções dos leitores do que de qualquer outra coisa e blogueiro fica todo feliz quando leitor escreve. É uma questão de opinião. Tem gente que acha normal e até defende a prática, porque deixa o cliente feliz. Você cota 120, o cliente chora, diz que – para este serviço, especificamente – não vai dar, que a situação está difícil e o escambau, você chora um pouquinho do teu lado, ele chora mais um pouquinho e você cede (ou finge que cede, porque ...

Números, pontos & vírgulas

Em português, o uso de pontos e vírgulas em números é regulado pela Resolução nº 12, de 12 de outubro de 1988,do INMETRO, que diz: "Para separar a parte inteira da parte decimal de um número, é empregada sempre uma vírgula; quando o valor absoluto do número é menor que 1, coloca-se 0 à esquerda da vírgula. "Os números que representam quantias em dinheiro, ou quantidades de mercadorias, bens ou serviços em documentos para efeitos fiscais, jurídicos e/ou comerciais, devem ser escritos com os algarismos separados em grupos de três, a contar da vírgula para a esquerda e para direita, com pontos separando esses grupos entre si. Nos ...

Eu e a tecnologia

Era 1970. De manhã, trabalhava na Arthur Andersen, que era, na época, uma importante firma de auditoria. De tarde, trabalhava em casa, traduzindo para a Editora Atlas, que se especializava em livros de contabilidade e coisas semelhantes. Traduzia em uma Olivetti Studio 44, mecânica, uma excelente máquina, para os recursos da época, e que tinha um preço accessível, para quem ganhava Cr$ 10,00 por lauda. Quando fui entregar minha primeira tradução no escritório da Atlas, na rua Helvetia, 574, topei com um outro tradutor, que estava entregando uma pilha de papel almaço, com uma tradução manuscrita, a caneta-tinteiro. Para mim, tradutor ...

Cuidado com o excesso de pronomes

Uma das características do português é dispensar muitos pronomes que, em outras línguas, seriam indispensáveis. Isso você deve ter aprendido quando estudou sua primeira língua estrangeira e teve que se acostumar a usar pronomes que, para quem fala português, eram desnecessários. Para refrescar a memória e testar o que eu dise, traduza estas três linhas para sua(s) outra(s) língua(s): — Entendeu bem o texto? — Sim, entendi muito bem. — Ótimo, então agora traduza para o português. O texto é perfeitamente correto e normal em português. Dependendo da língua para que você traduzir, entretanto, vai ter que adicionar mais ...

Não se pode servir a dois senhores

Está na Bíblia (Mateus, 6:24): “não se pode servir a dois senhores”. O problema do tradutor é que tem que servir a pelo menos três: ao autor, ao leitor e ao cliente. Por isso, tradução é um exercício de equilibrismo triangular, perigoso e complicado, que nem sempre dá muito certo. Então! Estou em paz, traduzindo sem fazer mal a ninguém e me salta da tela um “Does the universe have a designer?“ Entender, entendi até que bem, mas traduzir é o que era problema, demonstrando que saber uma língua estrangeira o suficiente para entender o texto de partida é indispensável para traduzir, mas não suficiente. Quando era iniciante, ...

Tradutor é como restaurante

Tem restaurante que serve refeições por dez reais, tem aqueles onde não se almoça por menos de cem. Cabe a você escolher em que restaurante vai comer. Se encontrar um restaurante satisfatório de dez reais, não há problema em almoçar nele. Se não tem cem reais para pagar um restaurante caro, vai ter que comer num mais barato. Faz parte da vida. O que você não pode é achar que, porque existem restaurantes que cobram dez reais, eu tenho que cobrar dez reais no meu.

Fui convidada para traduzir um livro

Escreveu a Maria Alice. Fazia tempo que não escrevia. Gosto quando ela escreve. Me faz pensar em certos problemas fundamentais de nossa profissão. A Maria Alice foi convidada para traduzir um livro que alguém escreveu em português e publicou em forma de livro eletrônico. A tradução é para o eslobóvio, uma língua fictícia que estou usando aqui para dizer que o original estava em português, sem dizer exatamente para que língua ela foi convidada para traduzir, porque isso não vem ao caso. Ela me pergunta como cobrar por um serviço desses. Ora, direi eu, cada um cobra como e quanto quer e eu não tenho nada que ver com isso, mas não ...