Concurso para TPIC em Minas Gerais

Houve lá o tal do concurso para TPIC em Minas.


Muita gente reclamou porque o número de vagas era restrito e a eles parecia que, não sendo o TPIC remunerado pelo Estado, conviria aprovar e nomear todos os que tivessem alcançado nota superior a um determinado mínimo. Nisso, há muito de razão, mas os TPICs atuais (e mesmo os aprovados) hão de julgar que já há TPICs demais para tão pouco mercado.


A outros pareceu estranho o fato de que os textos a traduzir existissem na Internet, achando que lá isso tinha um cheiro de maracutaia, mas em si, não significa muito. Por um lado, há milhões de textos na Grande Teia e não se poderia adivinhar qual seria; por outro, mesmo que o texto tivesse sido escrito pelos próprios examinadores, não se poderia dizer que isso garantisse o segredo. Mas, claro, fala-se, muitas vezes só pelo falar mal das autoridades. Não que nossas autoridades sejam uns santos, mas também nem tudo o que fazem é errado ou desonesto.


No fim das contas, os aprovados comemoraram, os reprovados reclamaram, o que faz parte do jogo e sempre foi assim, desde que o mundo é mundo. Um grupo de tradutores nomeados ad hoc (pronuncia-se “adoque”), treze, ao que se diz, todos reprovados, resolveu contratar um advogado para anular a prova. Isso é absolutamente normal. Mesmo que o concurso tenha se realizado com a maior lisura, quem perde apela para o tapetão.


Aqui em SP, no último concurso, ainda no século passado, houve vários recursos, deu notícia de jornal e tudo. Um dos recurrentes se dizia  competente, tinha estudado e vivido no exterior, o escambau. Foram revisar a prova e notaram que a figura confundia “where” com “were”, entre outras coisas. Vexame geral, mas já passou e caiu tudo no esquecimento, a grande lata de lixo da história.


O interessante, neste caso, é os ad hocs serem os autores da reclamação.  Ad hoc é nomeado sem concurso. Não quer dizer que sejam incompetentes, mas é um absurdo, falha geral do sistema, até porque muitos estão há muito tempo adocando (se me permitem o neologismo) e ad hoc deveria ser realmente para casos excepcionais. 


Os maiores beneficiários do concurso deveriam ser os ad hocs, porque, com sua experiência, deveriam ser os primeiros colocados e regularizariam sua situação. Como foram reprovados, não sei. Mas leva a pensar um pouco sobre muitas coisas, mas duas em especial: que exame é esse, onde treze profissionais experientes são reprovados? Ou, que profissionais são esses, que a despeito de sua experiência, foram reprovados no exame de admissão à profissão que exercem? Quer dizer, alguém tem que explicar alguma coisa.


Estou eu (e muito mais gente) morto de curiosidade por saber o resultado e até mesmo por  saber o que  está acontecendo agora. Mas a Junta Comercial do Estado de Minas Gerais, discreta como boa mineira, está de bico calado. Então a gente espera. Enquanto isso, espera também o concurso em Santa Catarina e, ao que dizem, no Rio de Janeiro. O do Rio deve dar muito pano para mangas, se eu sei como as coisas são. Em outras épocas, daria até marchinha para o carnaval. 


Por hojem, é só. Veja, aí do lado, rolando, o convite para a Sala 7.


O Blogger está brincando comigo hoje. Ah, a Kelli está de volta. Doravante, todos os erros são responsabilidade dela.



EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


6 Comentarios em "Concurso para TPIC em Minas Gerais"

  • Danilo Nogueira
    01/06/2009 (1:39 pm)
    Responder

    Foram nomeados, sim. Tem gente de cabelo em pé, porque está descobrindo que ser TPIC não é moleza.

  • Patricia Loreto
    27/05/2009 (5:52 am)
    Responder

    Danilo, parece que os ad hocs perderam o recurso, já que a posse dos novos TPICs está marcada para quinta-feira desta semana.

    Abraço.

  • Danilo Nogueira
    06/05/2009 (2:01 pm)
    Responder

    Bom que você gostou, Dulce. Volte sempre.

  • Dulce Castro
    06/05/2009 (1:53 pm)
    Responder

    Olá, Danilo!
    Achei seu blog a respeito do concurso muito pertinente. E, para minha grata surpresa, ele foi me levando a um passeio delicioso pelos seus escritos.
    Obrigada por partilhá-lhos! Um abraço de Belo Horizonte.

  • Danilo Nogueira
    05/05/2009 (7:34 pm)
    Responder

    Quer dizer, tem algo de errado. Eu não sei o que é, mas que tem, lá isso tem.

  • Julieta Sueldo Boedo
    05/05/2009 (7:30 pm)
    Responder

    Muito legal a sua reflexão Danilo! Beijos de BH!


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também