Controle de Qualidade na Tradução

Vamos começar aqui uma série de artigos desenvolvendo o material da mais recente Reunião na Sala 7. Foi uma reunião muito produtiva, por sua interatividade. Tratamos, na reunião, de precauções simples, que deveriam fazer parte da rotina do tradutor, mas que muitas vezes não fazem. Alguns dos participantes acharam o assunto muito pertinente, fizeram anotações e nos mandaram.

Achamos um desperdício de tempo e esforço (nosso e alheio) não aproveitar o material. Por isso, nasce hoje esta série. Lembramos que é uma série sobre essa reunião específica, que pode ou não vir a se tornar um hábito. Como sempre, seus comentários são bem-vindos.

Procedimentos básicos

Entenda seu original

Tentar traduzir um texto sem entender, apoiando-se exclusivamente em glossários e dicionários, é o erro mais fundamental que o tradutor pode cometer. Glossários e dicionários, na melhor das hipóteses, oferecem sugestões e só se pode escolher a sugestão correta entendendo o original.

Se conhecer o assunto, se souber do que se trata, pode começar a traduzir na hora, sem maiores cuidados. Mas, se não conhecer, leia o original e outros documentos sobre assunto semelhante, tanto na língua de partida como na de chegada, na medida do permitido pelo prazo. Internet está aí para encontrar essas coisas.

Se de todo o texto não fizer sentido, converse com o cliente e, em caso extremo, devolva o serviço. Lembre sempre de que se o tradutor não entende o original, o leitor não vai entender a tradução.

Faça direito da primeira vez

Somos contrários à idéia do faz de qualquer jeito e depois arruma. Fazer de qualquer jeito e depois arrumar dá muito mais trabalho do que tentar fazer tudo direitinho desde o início. Não existe tradução sem erros e toda tradução deve ser cuidadosamente revista, mas escreva cada palavra como se fosse imediatamente ser publicada. Quanto menos erros tiver sua minuta de tradução, maior a chance de não passar nenhum erro importante na versão final.

Jamais use o comando “substituir todas”

O substituir todas é um comando perigoso. Escreveu colher, decidiu que deveria ser coletar, manda substituir todos os colher por coletar e o Word troca escolher por escoletar. Sim, existe o somente palavras inteiras, para impedir essa desgraça, mas você vai descobrir que, lá no meio do documento, tem um caso de colher que deve ser mantido. Por exemplo uma colher de sopa de manteiga, que vai ficar uma coletar de sopa de manteiga, e lá se vai a reputação de um tradutor para o inferno.

Passe o revisor ortográfico e gramatical

Ao terminar a tradução, a primeira coisa a fazer é passar o revisor ortográfico e gramatical. Nenhum deles é perfeito, todos fazem sugestões bobas, mas também pegam muitos erros. É útil porque, durante a revisão, você pode usar o comando de localizar e, se a palavra buscada estiver escrita com erro, o comando não vai achar. No fim de tudo, quando for a hora de entregar a tradução, passe o revisor ortográfico e gramatical de novo: na revisão, a gente sempre escreve alguma coisa errada.

Arranje quem revise sua tradução

Toda tradução precisa ser revista e ninguém consegue revisar direito seu próprio trabalho. Mesmo um revisor profissional, quando traduz, deixa passar erros que, ao revisar o serviço de terceiros, teria emendado imediatamente. Revisar é trabalho pesado que exige atenção: não existe isso de dar uma olhada. Se é para dar uma olhada, melhor fazer uma prece e mandar embora de qualquer jeito.

É responsabilidade das agências e editoras mandar revisar por conta delas, mas quando se trata de atendimento a cliente final, a responsabilidade de pagar o revisor é de quem traduz.

Hoje, ficamos por aqui. Espero que você tenha gostado. Deixe seu comentário aqui abaixo – nós gostamos de saber o que pensam do nosso trabalho e de ver as sugestões dos leitores.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


7 Comentarios em "Controle de Qualidade na Tradução"

  • Anderson
    29/05/2009 (11:21 pm)
    Responder

    Muito bom!

  • Thays
    05/11/2008 (7:57 pm)
    Responder

    Vocês são maravilhosos! 😉

  • Adam
    04/11/2008 (5:23 am)
    Responder

    Obrigado Danilo,

    Gostei do blog e vou voltar com certeza. Sou iniciante também e quero traduzir de português para inglês (minha língua materna) mas até agora está ficando difícil achar um curso assim nos EUA. Acho que para voces, falantes nativos de português, fica mais fácil já que em seus paises, tradutores de português para inglês são precisos.

    Vou dar um jeito! Fique à vontade de visitar o meu blog sobre o Brasil.

    Abraços

  • Danilo Nogueira
    02/11/2008 (3:46 pm)
    Responder

    Obrigado, Meg. Acho que suas transparências estão ainda nos meus arquivos. Se não estiverem, certamente vou pedir que você envie de novo.

  • Meg
    02/11/2008 (3:31 pm)
    Responder

    Realmente, a Kelli já tá escrevendo parecido com o Danilo. Achei ótimo. Parabéns a todos!

    Ofereço minha palestra do Are You Prepared to Meet Your Client, de autoria do próprio Danilo, pra vocês usarem em Reuniões da Sala 7 futuras ou qualquer coisa assim. Pelo menos os gráficos já estão prontos.

    Como eu descobri o Danilo a partir desse artigo, eu vejo as Reuniões como ramificações das várias seções daquele artigo, esmiuçando todas as nossas nuances tradutórias.

    Parabéns e até a próxima!

  • Camilinha
    31/10/2008 (12:02 pm)
    Responder

    Excelente! Assino embaixo!

  • Carine
    31/10/2008 (1:39 am)
    Responder

    Sou uma completa iniciante no assunto… Vou começar minha faculdade de tradutor e intérprete ano que vem e adorei seu blog! Adorei as dicas desse post! Vou memorizar e colocar em prática quando estiver trabalhando na área!

    Vou voltar sempre!


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também