Era uma vez um velhinho

Há séculos, prometi a um cliente que se o número de caracteres minha tradução excedesse o original em mais de 5%, o serviço era grátis. O cliente topou, todo satisfeito, embora meu preço fosse salgado, porque sabia – e sabia porque sabia – que uma tradução do inglês para o português sempre é ao menos 30% mais longa que o original e que, como os manuais que ele queria tinham de ter a mesma diagramação em português, espanhol e inglês, os manuais latinos sempre eram compostos em corpo menor do que os originais em inglês.

Minha tradução final ficou, de fato, mais longa que o inglês – mas a diferença era inferior aos 5% de tolerância.

Como consegui isso, se todos nós sabemos que muitas vezes o português exige construções mais longas que o inglês? O que escapa à maioria dos tradutores é que, em outras tantas vezes, o português aceita, com elegância, construções mais breves do que o inglês. Nesses casos, lamentavelmente, a maioria de nós simplesmente ignora a possibilidade de ser mais conciso e acompanha a sintaxe inglesa. Um bom exemplo é a quantidade excessiva de pronomes retos e oblíquos encontrada em textos traduzidos do inglês.

Mas quem colocou a questão em perspectiva foi mesmo o Millôr Fernandes, que um dia comparou

Once upon a time there was a little old man.

com

Era uma vez um velhinho.

Agora, por favor, dê uma olhada aqui.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


2 Comentarios em "Era uma vez um velhinho"

  • Rosete Ramos
    29/02/2012 (9:19 am)
    Responder

    Prezado Danilo,
    Entendi perfeitamente a sua aposta. Muitos tradutores dizem que o certo é traduzir o texto original, quase literalmente, para não correrem riscos. Eu discordo e considero que a frase já traduzida deve ser relida e enxugada, para que se torne o mais concisa possível.
    Grata pelo vosso blog.
    Rosete Ramos

  • Julieta Sueldo Boedo
    06/08/2008 (4:23 pm)
    Responder

    Ólá Danilo,
    Só queria te dizer que seu blog está ótimo! Tenho acompanhado e lido com muito prazer todas suas postagens, que também são muito úteis e exprimem muito bem as peripécias e reflexões de um tradutor profissional.
    Parabéns e beijos!


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também