FAQ 2

Soube atraves de uma empresa que contrata servicos, que precisaria ter empresa aberta para poder pleitear uma vaguinha como tradutora de legendagem.

Mas pergunto: poderia ela ser empresa individual? ja’ possui uma aberta no Parana’, precisando somente alterar a natureza dela.

Como normalmente isso e’ feito?

Em teoria, você também poderia prestar o serviço como autônoma, mas, nesse caso, a carga fiscal da empresa que contratar seus serviços fica tão alta, que eles fazem questão de trabalhar com profissionais que podem apresentar notas fiscais de pessoa jurídica. Essa é uma tendência geral do mercado, não uma ranhetice específica dos laboratórios de legendagem.

Normalmente, firmas individuais, como a que você diz que tem, são comerciais, não de prestação de serviço e, portanto, a nota fiscal delas não vai servir. Que eu entenda, você precisa de uma sociedade, não de uma firma individual. Mas isso é você tem que discutir com seu cliente e com seu contador.

Alguns clientes estão sugerindo que seus tradutores se juntem a “Associações Culturais”, para reduzir os custos. Não me canso de dizer que essa história de cobrar como “Associação Cultural” não está lá muito de acordo com a lei e que mais dia menos dia o Leão vai dar uma rugida feia — dizem, inclusive, que já pegou uma e fez um estrago dos bons. Portanto, fuja dessa. Há um marcador “associações culturais” aí do lado. Clique nele e entenda melhor por que recomendamos fugir desse “jeitinho”.

Na verdade, a história de se tratar de legendagem não altera o quadro: de acordo com a lei brasileira, se você não trabalha com vínculo empregatício (“carteira assinada”) ou presta serviços como trabalhadora autônoma ou como pessoa jurídica (“firma”, “empresa”). Não há outras opções.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


Sem comentarios em "FAQ 2"


    O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

    Pode publicar em html também