Mercado para Legendagem fora do “Eixão”

Escreve a Bárbara:



Estou ingressando nos ofícios da tradução (faço o curso do prof. Daniel Brilhante Brito) e me interessei pelo curso de legendagem de filmes, mencionado no seu email. Você tem conhecimento se este mercado é grande fora do eixo Rio, São Paulo? Tenho interesse em fazer o curso mas moro no sul do país, geralmente os trabalhos podem ser feitos a distância?



Oi, Bárbara, essa história do mercado restrito ao eixo Rio—São Paulo é do tempo da máquina de escrever. Hoje, é tudo uma coisa só. Eu não tenho clientes em São Bernardo nem em São Paulo, a Kelli não tem clientes em São Carlos. Mas faz meia hora ligou um de Washington e tem uma turminha boa em Zurique, Londres e Nova York.


Por outro lado, a Carol Alfaro mora em Toronto e a Bianca Bold anda por aí, às vezes no Canadá, às vezes no Brasil (passou uma semana em São Carlos, com a Kelli), computador a tira-colo e legendando um filme atrás do outro. O escritório dela vai pendurado no ombro.



Hoje, qualquer lugar do mundo onde você tenha uma boa conexão com a Internet é um bom lugar para se trabalhar como tradutora. Nem pense em restringir sua clientela de traduções à cidade onde você mora, mesmo que seja uma cidade grande. Tua “praça” (no sentido em que os vendedores usam o termo) é o mundo. Temos um colega que traduz do inglês para o francês e mora na Tailândia. Está todo feliz, lá.



Aliás, minha amizade com a Bianca começou justamente porque ela disse que onde morava (Salvador, na época: a moça é meio itinerante) havia pouco serviço e eu respondi que esse troço de “na minha cidade não tem serviço” é balela.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


2 Comentarios em "Mercado para Legendagem fora do "Eixão""

  • Alicia
    21/10/2015 (4:43 pm)
    Responder

    D: cada um acredita, ou ne3o, no que quer maria: Ngm e9 como vc pois e9s fanica!!Ti: Afinal ne3o sabes quem sou pois ne3o me denfio por um apelido, mas se isso te chega temos pena!!

  • Bianca Bold
    19/06/2009 (4:07 pm)
    Responder

    Exatamente, Danilo! Estou meio nômade há uns dois anos, e isso nunca me atrapalhou em termos de trabalho.
    A primeira grande lição que aprendi com o Danilo, quando eu ainda era estudante e estava perdida sem saber como começar (porque eu morava no Nordeste) é que "tradutor mora na internet".


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também