O Emílio Pacheco

Meu amigo Emílio Pacheco deixou um comentário aqui e, com isso, me dá uma chance para evitar um mal-entendido.

Naquele comentário onde eu cito o Jorge Dória, não quis dizer que as intervenções eram falha do tradutor. Certamente, eram interpolações do Jorge Dória, pelas quais somente ele é responsável. Podem ter melhorado ou piorado o texto de Molière e isso não vou discutir. Mas, certamente, descaracterizam a “molieridade” do texto, se me faço claro.

O mesmo se aplica às traduções: se o tradutor adiciona, subtrai, modifica, enche a tradução de “cacos” está escrevendo uma outra obra, inspirada no original, digamos, mas que deixou de ser tradução ou, se quiserem, passa a ser uma péssima tradução.

Está claro agora?

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


1 Comentario em "O Emílio Pacheco"

  • Emilio Pacheco
    03/03/2007 (3:59 pm)
    Responder

    Falha minha, Danilo, eu devia ter prestado atenção que você escreveu “um improviso atrás do outro”. De resto, confirmou o que já se sabia: Jorge Dória é o rei do “caco” e se orgulha em preservar essa duvidosa reputação.


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também