Preços de referência do SINTRA

 

É com prazer que constato que a página dos Valores de Referência do SINTRA está bem melhor do que estava e, por essas melhoras, dou os parabéns à diretoria atual. Além de terem excluído umas coisas esquisitas que havia lá desde sempre, agregaram alguns posicionamentos muito importantes. Espero que a nova diretoria continue no seu ímpeto de trabalho.

Pontos positivos

Dos pontos positivos, destaco a informação de que: A lista de referência contém os valores brutos cobrados diretamente do cliente final, e não os valores líquidos pagos por intermediários ou agências aos tradutores e intérpretes, e são valores sugeridos, não tabelados. Na “Carta Aberta” agregam: trabalhos finalizados, revisados, e realizados por profissional sênior, não por iniciantes ou pessoas com dedicação eventual à área. Assim acabam com a ideia de que todos devem receber pagamento igual toda e qualquer tradução deve ser remunerada pelos valores do SINTRA. Você pode gostar ou não, mas agora não resta mais dúvida, o que me parece um grande progresso.

Pontos negativos

Mas ainda há muito a melhorar. Aponto só os problemas mais graves e vou me ater à modalidade de tradução de texto para texto, que é a que conheço.

Tradução é diferente de tradução literária?

A lista de valores ainda diz – como há muitos anos:

Tradução
Tradução literária

 …com preços diferentes. O que significa isso? Que tradução se opõe a tradução literária? Não creio que o SINTRA tenha querido dizer isso. Creio que, com tradução literária, querem se referir a serviços prestados a clientes do setor editorial e, com tradução, assim, sem qualificações, queira se referir a serviços prestados a clientes que não pertencem ao setor editorial. Um erro muito comum, porém nem por isso aceitável. A terminologia atual, além de pouco precisa, ignora o fato de que boa parte (caso não a maior parte) das traduções publicadas por editoras no Brasil não é literária. De um modo ou de outro, repito a pergunta que venho fazendo há anos: a tradução de um livro de medicina feita para uma editora, deve ser cobrada como? Como tradução ou como tradução literária?

Texto de Partida ou de Chegada?

Esses valores se referem a texto de partida ou de chegada? As editoras, que pagam por lauda, costumam pagar pelo texto de chegada, não só pela tradição, mas também pela experiência que têm com a modalidade. Outros clientes, que preferem pagar por palavra, costumam preferir preço pelo texto de partida, porque isso lhes dá a segurança do valor a pagar antes de contratar o serviço. Mas há uma diferença entre as duas modalidades e essa diferença deve ser levada em conta ao calcular preços.

Direitos autorais

Tem também a velhíssima história dos direitos autorais à parte. Essa colocação, mais ainda quando em grifo, é um desserviço à categoria. Para os menos avisados, confirma a crença errônea de que a lei garante aos tradutores uma participação nas vendas dos livros por eles traduzidos e que as editoras sonegam esse valor. Não é verdade: nem a lei brasileira nem a lei de nenhum país que eu conheça dispõe que tradutor deva receber participação nas vendas. Os direitos patrimoniais dos tradutores são cedidos às editoras a tanto por lauda ou qualquer unidade que use – e é isso. Se o livro vende ou não vende, não é da conta do tradutor.

Aliás, nem é do interesse do tradutor receber pelas vendas do livro – assunto sobre que vou publicar na próxima segunda-feira.

Profissão não regulamentada

A Carta Aberta fala em regulamentação da profissão. Gente, esqueçam disso, por favor. Já escrevi sobre o assunto mil vezes, uma delas aqui. Há países em que os clientes preferem tradutores com diplomas ou certificações, mas não há país nenhum deste mundo em que o exercício da profissão de tradutor seja restrito a quem tenha um determinado certificado. Nem, se houvesse, poderíamos ter certeza de que as traduções fossem realmente feitas por eles. Veja, por exemplo, o caso das traduções juramentadas no Brasil, das quais uma quantidade grande, embora desconhecida é feita por gente que nunca prestou concurso.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


1 Comentario em "Preços de referência do SINTRA"

  • Valeria Helbig
    04/07/2018 (2:45 pm)
    Responder

    Danilo,
    Gostei muito da forma como você comentou. E concordo!


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também