Respondendo: estudante quer ser tradutor

Mensagem do Luis, algo abreviada:

Meu nome é Luis, tenho 19 anos. Sou estudante de Engenharia e tenho pensado em ter uma renda mas a faculdade ainda está no começo e ainda não é hora de conseguir um estágio remunerado. Por isso, tenho pensado sobre tradução. Domino bem o inglês, costumo ler os livros na língua original, e tenho CPE.

Como começar? Já li algumas dúvidas similares no blog, mas nunca sobre o que fazer primeiro em relação a me apresentar para as editoras. Já mandei e-mails para algumas, mas não recebi resposta; não sei se devido à falta de experiência ou de formação (faculdade/curso).

Pretendo fazer um curso de tradução, mas até agora o melhor que eu achei aqui no Rio requer graduação.

Enfim, o que eu gostaria de saber é quais são seus conselhos de como procurar algum tipo de trabalho como tradutor. Se devo continuar a comunicação por e-mail ou carta ou me apresentar pessoalmente nas sedes. E principalmente se o diploma de proficiência tem um peso inexistente sem curso/faculdade.

Luis,

É cada vez mais difícil fazer da tradução um bico. Os prazos estão cada vez mais breves, as exigências cada vez maiores. Mesmo a tradução de grandes obras literárias, que, antigamente, muitas vezes era feita nas horas vagas por escritores, jornalistas ou acadêmicos, hoje cada vez mais está nas mãos de profissionais que se dedicam à tradução em tempo integral. Curso de engenharia consome um tempo enorme e dificilmente vai sobrar algum para cumprir os prazos de hoje. Mesmo assim, vale a pena insistir e você não seria o primeiro que, aos vinte anos, descobre que prefere traduzir a ser engenheiro.

Por outro lado, você quer a “receita do bolo”, (quem não quer?) para entrar na profissão e essa eu não tenho e não acredito que exista. Não existe um modo certo e certeiro para se tornar tradutor. Há recomendações e, também, gente que faz tudo ao contrário e se dá bem. Você vai ter que ir formando seu próprio caminho, como fiz eu e como fizeram os outros. Nada impede que eu dê algumas indicações.

As editoras significam uma parte importante mas pequena de nosso mercado. Sem contar os mercados de interpretação e audiovisuais e mais alguns segmentos, que provavelmente não interessam a você, ainda temos as agências e clientes diretos, segmentos que não podem ser desprezados. Não existe em lugar algum uma lista de agências ou clientes diretos, mas, se você der uma olhada nas páginas amarelas, sob “tradutores”, vai ver vários anúncios destacados e pode apostar que são agências.

As editoras, além disso, são especializadas. Se o teu negócio é engenharia, não adianta se oferecer como tradutor a uma editora especializada em literatura: precisa procurar as editoras que publicam o tipo de livro que você lê e saberia traduzir.

Não se apresente pessoalmente: é possivel que nem passe da porta, se não tiver uma reunião marcada. Continue usando correio convencional ou eletrônico e conforme-se com o fato de que você pode ter de mandar muitos CVs antes de encontrar seu primeiro cliente. Pense, assim, em torno de cem. Tem gente que emboca na primeira, mas é raro.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


5 Comentarios em "Respondendo: estudante quer ser tradutor"

  • Ana
    24/03/2011 (8:36 pm)
    Responder

    @anna

    Anna, discordo. Tradução é competência. Se ele tiver competência para traduzir, ele vai entrar no mercado e se estabelecer. Ninguém toma lugar de ninguém, especialmente no mundo da tradução. Trabalho tem para todos. Não fiz faculdade de tradução, mas vivo exclusivamente da tradução há 6 anos. E estou muito bem, obrigada.

    Concordo com o Danilo, o problema é conseguir fazer as duas coisas, que são pesadas, mas nada a ver com a formação. Para ser profissional, tem que haver dedicação e esforço, “fazer bico” é impossível.

  • Patrick
    01/02/2011 (8:19 am)
    Responder

    eu acho que a tradução é uma coisa séria e não é qualquer um que pode realizar.
    porque vc fala inglês ou qualquer outro idioma não significa que vc está apto para traduzir!
    no passado guerras estouraram por causa de mal interpletes!
    ele deveria achar um estagio remunerado na área dele,pois não é para isso que ele está estudando!

  • Ley
    28/01/2011 (1:45 pm)
    Responder

    Eu pus aspas em dica no terceiro parágrafo… Mas não sei o porquê, se de fato foi uma dica de fundamental importância.

    Ah sim… Foi porque ela ficou tão sutil.

  • Ley
    28/01/2011 (1:41 pm)
    Responder

    Legal o comentário da Anna… O mais clássico pensamento: farinha pouca, meu pirão primeiro. rs… Não me interprete mal. Cada um age como lhe convém, assim como fez o Luis.

    Também estou estudando um curso que não é letras, tradução ou derivados. Faço Direito e divido com o rapaz o mesmo interesse, não tanto pelos mesmos motivos iniciais. Ele ser formado em Eng. não descarta a possibilidade de exercer a carreira de tradução no ramo em que se graduou. É uma possibilidade que pode ajudá-lo a ser mais feliz, se for o caso de optar por um dos caminhos.

    A “dica” do Danilo foi muito afortunada: “procurar as editoras que publicam o tipo de livro que você lê e saberia traduzir”.
    Existem termos específicos de determinada área que um tradutor poderia sentir dificuldade em submeter a uma interpretação, mas isso não quer dizer que ele não seria capaz de traduzir.
    Concordo plenamente: a tradução não é um bico, e não pode ser tratado como um. Ela exige atenção, cuidado, tempo, dedicação. Consiste em mais uma possibilidade para quem se interessa e abraça essa ciência. Pode ser apenas empolgação de iniciante, mas apaixona, vicia.

    Para o Luis eu diria, que continuasse estudando, lendo, pesquisando, buscando cursos, procurando um experiente conselheiro, mentor, “padrinho”, um guia, sei lá. Pelo menos é o que eu estou fazendo. Meu mistagogo tem anos na profissão e apesar do pouquíssimo tempo disponível tem uma paciência de Jó com as minhas dúvidas mais ridículas. Serei eternamente grata. Este site se tornou uma espécie de Livro Virtual Sagrado, assim como outros blogs que consulto diariamente.

    Mas então… Eu sou apenas uma pré-aspirante muito curiosa.
    Eu queria deixar um comentário com alguma dúvida, não que não as tenha, mas fica difícil forçar o cérebro a construir um questionamento quando a maior parte deles já foram respondidos.
    A propósito: esse é o meu primeiro comentário o/ Então:

    Que site especial! ;P

  • anna
    25/07/2010 (5:12 pm)
    Responder

    Luis,
    eu diria para você, particularmente, não fazer isso. Você tá pegando o lugar daqueles que realmente estão estudando para isso. E acredite, quem fala inglês acha que pode traduzir. Mas não pode. As coisas são muito mais complicadas do que você imagina e é só quando você faz o curso que você realmente percebe que não é fácil. Se você quer grana e já que você fala inglês(o que é um bonus), pega um estágio remunerado na sua área. mas nao tenta pegar o lugar daqueles que estão estudando pra isso.
    Quer faculdade de traduçao? Ibero Americano. muito boa.


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também