Sorte, máfia, QI (3)

Este é o terceiro e último artigo sobre este assunto, pelo menos por enquanto.

Talvez para encerrar, acho importante dizer que apresentar-se nos grupos, dizer o que estudou, onde trabalhou, que programas sabe usar, que assuntos conhece.

Tudo isso é importante e útil. O que pega mal é pedinchar serviço. Coisas do tipo pessoal, vê se alguem aí pode me arranjar alguma coisa, que a situação anda preta aqui. Cria um constrangimento imediato. Na verdade, ninguém pode inventar serviço para você porque você está precisando. Podem, evidentemente, lembrar de você se acharem que você é a pessoa certa para um determinado serviço.

Também pega mal dizer algo do tipo estou querendo entrar na área X, mas a máfia fechou a porta. Primeiro, porque ninguém pode fechar a porta para você. Segundo, porque um dos circunstantes pode estar exatamente naquela área e se sentir ofendido.

Mas não deixe de aparecer, de se apresentar, de deixar seu cartãozinho de visitas. Como eu sempre digo, moça bonita que põe vestido bonito e fica trancada no quarto com a janela fechada não arranja namorado.

Chega deste assunto, pelo menos por agora. Amanhã, falamos de outra coisa.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


Sem comentarios em "Sorte, máfia, QI (3)"


    O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

    Pode publicar em html também