Trados TWB e Wordfast Classic em arquivos complicados

A graça de trabalhar com o Trados TWB (normal e erroneamente chamado “Trados”) ou com o Wordfast Classic (todas as versões do programa até a 5, inclusive) é que a gente trabalha dentro do MSWord, por assim dizer. É um conforto, especialmente para quem tem algum receio de computador.

Quando o arquivo a traduzir já está em formato MSWord e não tem formatação muito complicada, de fato é uma maravilha, mas quando o arquivo está em outros formatos ou é dos complicados, cheios de cinco mil tabelas com tamanhos de célula fixos, que impedem a leitura do que se escreveu na célula de tradução, a tarefa pode se tornar impossível. Essa é uma das razões por que a Trados vai tirar o TWB do campo e o Wordfast 6 está saindo com uma nova interface.

Existem duas saídas para esse problema. A primeira funciona na maioria das vezes, a segunda funciona quase sempre.

Para começar, traduza uma cópia do arquivo usando o Trados TWB ou o WF5 normalmente. Quando chegar a uma tabela daquelas endiabradas, simplesmente use o comando do MSWord Tabela > Converter > Tabela em texto e traduza. A formatação vai ficar um horror, mas não se preocupe. Ao terminar, revise e deixe o texto tinindo de bom.

Crie uma nova memória. Limpe o texto contra essa nova memória. Assim, você fica com uma memória que só tem o material para aquele arquivo.

Faça mais uma cópia do original. Se você usar o pre-translate do Trados TWB ou o Auto translate do WF, ou se, simplesmente for apertando as teclas de tradução normais (Alt Setabaixo para o WF, Alt + para o TWB Workbench), a tradução na maioria das vezes sai perfeita.

Quando é que não sai? Algumas tabelas são tão complicadas e, muitas vezes, tão mal feitas, que, na hora do processamento, o Word engasga. Às vezes, com um pouco de prática a gente consegue desengasgar o programa, mas há momentos em que nada funciona. Então é passar para o plano B, que é usar o Trados TagEditor, ou o Wordfast 6, que encaram o que houver, sem maiores problemas. Então porque eu disse quase sempre? Porque se o arquivo MSWord estiver bichado, até o WF6 ou o TE podem travar. Nesse caso, é preciso ver onde ocorre a trava e reformatar. Mas isso é raríssimo, uma vez em um milhão.

Antes que me esqueça, esta nota não foi revista pela Kelli, que está em licença terpsicórica até segunda-feira.

O blogue ainda está na muda, mas vai acontecer muita coisa interessante, da semana que vem em diante. Espero que você goste.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


4 Comentarios em "Trados TWB e Wordfast Classic em arquivos complicados"

  • Daniel Veloso
    04/03/2010 (4:00 pm)
    Responder

    Olá, Danilo. Não sei se cabe aqui na discussão, mas achei um depoimento interessante que talvez valha a pena ler.

    http://www.your-translations.com/why_wordfast.php

    De antemão, desculpe-me se eu postei a informação num post indevido ou algo do tipo.

  • Danilo Nogueira
    25/11/2008 (12:55 pm)
    Responder

    Dharma, logo vou publicar uma análise detida do MemoQ. O MemoQ tem uma concepção diferente do WF e muita gente se assuta com a inteface. Mas, sem dúvida, é um programaço.

    Mas comparar WF 3.0 com MemoQ não é uma boa idéia, porque o WF está na versão 5 e você testou uma versão que está totalmente ultrapassada.

  • Dharana
    25/11/2008 (12:45 pm)
    Responder

    Danilo,

    eu testei o wordfast (na versão 3 o.O ) e não gostei mto não.

    mas peguei a dica aqui do memoq e ameeeeeeeei!!! achei muito mais simples e eficiente.

    agora, memoq pra vida! =)

  • Flavio Morgenstern
    22/11/2008 (9:35 pm)
    Responder

    Danilo,

    Agradeço muito por esta postagem, salvou o meu fim-de-semana. 🙂

    Com efeito, a solução até parece simples depois que já a temos, e vem o velho Djavan falso de “Por que não pensei nisso antes?”, mas é uma sensação enganosa. Trabalhamos com Trados/WF, que é um plug-in do Word e, como tal (e como você bem especificou na abertura do post), ele faz coisas não-naturais ao ambiente do Word. Assim, já “botamos a culpa” do problema, imediatamente, no Trados ou no WF, sem pensar que uma mudança na formatação do próprio Word pode fazer com que o ambiente (caberia bem a palavra “interface”) de trabalho volte às CNTP. Esse “gap” entre o plug-in e o próprio Word é bem maior do que parece, quando estamos trabalhando.

    Mais uma vez, muito obrigado!


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também