tradutor público, tradutor juramentado

Onde encontrar um tradutor juramentado

Este artigo foi escrito para as centenas de pessoas que procuram um tradutor público e caem neste Blog por engano.

O nome oficial do que o povo chama “tradutor juramentado” ou “tradutor oficial” é tradutor público e intérprete comercial, abreviado TPIC.

Juramentada é a tradução, não o tradutor. O TPIC não pode traduzir cópias nem e-mails: precisa do original, mesmo. Isso significa que, muitas vezes, a melhor escolha é o TPIC que fica mais perto da sua casa. Os preços são tabelados e, a rigor, todos os TPICs do mesmo estado devem cobrar as mesmas taxas. Há quem cobre fora da tabela oficial, o que é ilegal, mas, de qualquer modo, raramente vale a pena ficar telefonando para meio mundo para ver quem cobra menos.

Para ser TPIC é necessário prestar um concurso promovido pela Junta Comercial do Estado em que reside o interessado. O concurso é promovido de raro em raro: em São Paulo, o intervalo médio excede 20 anos. Fora de SP, é mais raro ainda. O TPIC não recebe nada do Estado: vive do que cobra dos interessados em obter traduções juramentadas.

Cada TPIC traduz um ou mais línguas. Quer dizer, o profissional pode ser TPIC para a língua russa, mas não para a inglesa, por exemplo, caso em que mandar para ele um documento em inglês é inútil, porque, mesmo que ele entenda o que está escrito, não pode fazer uma tradução juramentada do texto. Entretanto, se você perguntar a um TPIC de qualquer língua onde se encontra um que uma outra, é bem possível que ele tenha uma sugestão inteligente.

A Junta Comercial de cada estado tem uma lista de todos os TPICs do estado, geralmente em seu site na Internet. É só abrir e escolher. Ou telefonar, perguntando. Talvez no seu estado não exista TPIC para a língua que você quer, caso em que você pode e deve procurar nos outros estados. Mesmo assim, pode não dar certo. Não há TPICs para todas as línguas. Por exemplo, não existe TPIC para sueco, no Brasil. Nesses casos, recorra ao consulado do país em questão, neste caso a Suécia, que eles te explicam como proceder.

Tenha em mente que a tradução juramentada é exigida para todo documento em língua estrangeira a ser apresentado a uma autoridade no Brasil. Quer dizer, se você estudou na Argentina e quer apresentar o diploma a uma universidade brasileira, por mais que o texto do diploma possa parecer óbvio, deve ser acompanhado de tradução juramentada.

A legislação é diferente em outros países e, embora a lei brasileira credencie os nossos TPICs para fazer “versão”, quer dizer, traduzir para uma língua estrangeira, não é certo que essa tradução seja necessária ou válida onde vão usar o documento. Quer dizer, se você quer se matricular numa universidade canadense, por exemplo, em vez de meramente mandar a documentação para um TPC no Brasil, deve começar se informando lá, com a universidade escolhida, sobre o que eles querem, em que língua querem e como querem traduzido.

Para obter mais informações sobre TPICs e suas características escreva TPIC ali em cima, onde diz “pesquisar no blog”. Finalmente, eu não sou TPIC nem trabalho em escritórios de TPICs nem tenho nada que ver com a promoção de concursos para TPIC, com as tabelas da JUCESP ou com a regulamentação dessa ou de qualquer outra profissão.

EN→PTBR |Tradutor profissional desde 1970.


3 Comentarios em "tradutor público, tradutor juramentado"

  • Danilo Nogueira
    01/07/2009 (8:50 pm)
    Responder

    Os emolumentos dos TPICs são determinados pelas Juntas Comerciais de cada UF e o TPIC é obrigado a cumprir a tabela. Nenhuma tabela que eu conheça distingue entre as diversas línguas: o preço é o mesmo para todos.

    Todos levam sustos quando sabem do preço de traduções, principalmente porque não imaginam nem o trabalho que dá, o tempo que leva e quais são nossas despesas. Se soubessem, iam ficar apavorados. Mas isso é assunto para um artigo inteiro no blogue. Vamos ver se publico amanhã. Quando publicar, boto um link aqui em baixo.

  • Anonymous
    01/07/2009 (8:00 pm)
    Responder

    Achei muito legal estes comentários… muito útil mesmo…
    Liguei p/2 tradutores indicados pelo consulado argentino aqui em Salvador p/traduzir três 2ª vias de certidões de nascimento do português p/o espanhol e levei um susto quando ouvi que o preço ficaria entre R$ 28 a R$40 cada, pois os doctos são muito vazios e as linguas são muito similares, assim que farão um mini trabalho.
    Ma. Rossi

  • Adri
    11/11/2007 (2:04 pm)
    Responder

    Danilo,
    Como você sabe, eu sou TPIC e gostaria de fazer apenas uma correção ao seu texto.

    O TPIC pode traduzir, sim, email e cópias. Só que ele terá que explicar, no texto de introdução / cabeçalho que está recebendo uma cópia eletrônica, uma cópia reprográfica, um pedaço de guardanapo ou um original de um documento identificado como “diploma” (por exemplo).

    Explico para os clientes (que muitas vezes têm medo de mandar originais) que posso fazer isso, e que carimbarei o “meu” original. Ou seja, imprimo o email, o pdf, o que seja, carimbo e aquele é o meu original da tradução. Envio/entrego ambos, original e tradução, para o cliente.

    Só que deixo claro que o interessado deve verificar junto ao órgão que está requisitando a tradução, para ver se aceitam dessa forma.

    Abraço
    Adriana
    Adriana Caraccio Morgan


O que achou do artigo? Deixe seu comentário.

Pode publicar em html também